Um bebê nascido nas barracas de Auschwitz-Birkenau, em setembro de 1944. Uma sonata composta por um jovem oficial alemão, na mesma data, também em Auschwitz. Duas histórias que se cruzam e se completam. Décadas depois, Amália, jovem portuguesa, começa a levantar o véu de um passado nazista da família a partir de uma partitura que lhe é revelada por sua bisavó alemã. A dúvida de que o avô, dado como morto antes do fim da Segunda Guerra, possa estar vivo no Rio de Janeiro, a leva a atravessar o oceano e a conhecer Adele e Enoch, judeus sobreviventes do Holocausto. A ascensão do nazismo na Alemanha, culminando na fatídica Noite dos Cristais, a saga dos judeus húngaros da Transilvânia, os guetos na Hungria e Romênia, os trens para Auschwitz, os mistérios acontecidos no campo de extermínio da Polônia e o pós-guerra numa casa cheia de segredos num lago de Potsdam oferecem os trilhos que Amália percorrerá para montar o quebra-cabeça.

"Com descrições de tirar o fôlego e diálogos que revelam o que há de melhor e mais cruel no ser humano, ninguém ficará indiferente ao ouvir esta Sonata em Auschwitz." (Francisco Azevedo, escritor)

Luize Valente é uma escritora cujas tramas nascem de sua imaginação privilegiada e ganham corpo com pesquisa histórica rigorosa e pesquisa de campo. Elaborada com extrema sensibilidade e riqueza investigativa, sua narrativa envolve o leitor em mistério, suspense e profundos sentimentos e sensações.
"Sonata em Auschwitz" (2017) é o terceiro romance histórico da autora, depois de "O Segredo do Oratório" (2012) e "Uma Praça em Antuérpia" (2015), todos publicados pela Editora Record. Traz uma instigante história saída do campo de extermínio nazista, uma saga em pleno Holocausto. Em tempos extremos, reflete também sobre os erros que se repetem, os preconceitos que permanecem, as guerras que nunca acabam e os atos de resistência e a arte que sempre surgem em meio aos escombros.

CURIOSIDADES
1) Este romance é uma ficção baseada em fatos históricos, dados reais e depoimentos de sobreviventes. A autora teve um encontro marcante com a sobrevivente judia Maria Yefremov, hoje com mais de 100 anos, vivendo no Rio de Janeiro, e desse encontro partiu a inspiração para a escrita da ficção. Maria teve um bebé em Auschwitz em 1944 e nunca soube o que aconteceu com ele.

2) A Sonata que dá título ao romance ganhou forma no plano real enquanto o livro era escrito. O sobrinho da autora, o jovem maestro Antonio Simão, compôs a “Sonata para Haya” tendo a mesma idade do personagem Friedrich, 24 anos. Um instigante diálogo entre ficção e realidade. 

3) Como surpresa para o leitor mais atento, existe uma misteriosa ligação deste novo romance com o anterior, "Uma Praça em Antuérpia".

Após milênios reinando no inferno, Lúcifer, o Príncipe das Trevas, retoma o seu mais engenhoso e antigo plano: conquistar a terra. Em meio as variadas opções, ele escolhe o Brasil como sede do seu futuro reinado. Há certo mistério envolvendo as terras brasileiras e uma garotinha cujo rosto ele vê em memórias: "...Estou orando por você, Lúcifer. Estou clamando seu perdão". 

Cinthia é uma mulher não muito bem sucedida, atolada em dívidas e, que corre o risco de ser despejada de sua humilde quitinete. Seguindo a indicação da amiga, Gisele, ela vê no misterioso Palácio que surgiu em São Paulo a oportunidade de conseguir um bom emprego e pôr a vida no lugar. 

Ele é a sua provação. Ela é a sua remissão. Ele é o ódio. Ela é o amor. Eles são o casal mais improvável que haveria de surgir, mas até mesmo os céus torcem por essa união. Será Cinthia capaz de amolecer o coração sombrio de Lúcifer? Será Lúcifer capaz de conquistar o amor de sua donzela? 

Em meio ao romance, há um campo de batalha se formando. Na ausência de Lúcifer,o inferno ganhou um novo comandante; seu nome é Baal e o seu objetivo é Cinthia. Quando Lúcifer, o Príncipe da Terra, se enfurecer, uns dirão que começou o apocalipse, outros, o fim. O mundo será envolto por uma batalha em que até os anjos se farão presentes! A razão? Uma mulher. Seu nome? Cinthia.

Uma história poderosa sobre um personagem poderoso.

Uma distopia na tradição de The Handmaid’s Tale... um romance magnífico e uma heroína que nos mostra uma possível visão do futuro...

Esta história não é de guerra. É de ruína.
O ano é 2074 quando uma Guerra por combustíveis explode nos Estados Unidos, após uma desastrosa mistura de uma política conservadora e autoritária e a mudança climática ignorada pelos líderes mundiais. 

Sarat Chestnut, nascida em Louisiana, é só uma menina de seis anos quando o terror da guerra invade a sua casa. Tudo o que a envolve - a disputa pelos combustíveis, a cidade destruída e os drones que voam pelo céu – é um prelúdio para um horror maior: a morte de seu pai e a marcha do que sobrou de sua família para um campo de concentração. Mas é neste lugar, influenciada por um estranho funcionário local, que Sarat se transforma em um instrumento mortal de guerra. Sarat se tornará a peça chave que moldará o futuro do planeta, não sem antes destruir a vida de muitas outras pessoas.

Uma guerra americana é a história de uma nação contada por uma perspectiva extremamente particular de uma família, e das emoções e decisões desesperadas que se toma quando a prioridade é sobreviver.

Amor. Traição. Recomeço 

Ana Lúcia Lima sempre foi uma boa esposa. Acostumada ao temperamento forte do marido, ela se manteve em uma posição defensiva ao longo do casamento. Contudo, tudo muda quando ela o encontra na cama com outra mulher. Decidida a modificar sua vida drasticamente, Ana vai para São Paulo com o filho pequeno, disposta a arrumar um emprego e construir novas perspectivas. Tudo que ela não quer é se envolver com outro homem. Tudo que ela não precisa é de outra pessoa querendo controlá-la. Mas o destino parece ter um plano diferente quando coloca Luiz Fernando em sua vida.

Luiz Fernando Magalhães se tornou um homem de negócios de uma hora para outra. Micro empresário do setor alimentício, ele deixou o emprego de promotor de vendas para alçar novos voos. Ele não se sente preparado para relacionamentos, ainda mais após a tragédia envolvendo o seu último casamento. Ele se esconde dentro do sofrimento pela perda, pelas mentiras e pelos erros que não podem ser desfeitos. Mas é ao conhecer Ana Lúcia e entrar em contato com todas as coisas que envolvem a sua vida, que ele vai reconsiderar tudo o que tinha planejado para si mesmo.

Kate Daltry é uma jovem de 23 anos que não costuma frequentar os salões da alta sociedade. Desde a morte do pai, sete anos antes, ela se vê praticamente presa à propriedade da família, atendendo aos caprichos da madrasta, Mariana. Por isso, quando a detestável mulher a obriga a comparecer a um baile, Kate fica revoltada, mas acaba obedecendo. Lá, conhece o sedutor Gabriel, um príncipe irresistível. E irritante. 

A atração entre eles é imediata e fulminante, mas ambos sabem que um relacionamento é impossível. Afinal, Gabriel já está prometido a outra mulher – uma princesa! – e precisa com urgência do dote milionário para sustentar o castelo. Ele deveria se empenhar em cortejar sua futura esposa, não Kate, a inteligente e intempestiva mocinha que se recusa a bajulá-lo o tempo todo. 

No entanto, Gabriel não consegue disfarçar o enorme desejo que sente por ela. Determinado a tê-la para si, o príncipe precisará decidir, de uma vez por todas, quem reinará em seu castelo. Um beijo à meia-noite é um conto de fadas inspirado na história de Cinderela. Com um estilo que combina graça, encanto e sedução, Eloisa James escreve uma narrativa envolvente, com direito a fada madrinha e sapatinho de cristal.

Alessandra Gonçalves, médica, linda e com um sorriso sempre gentil, é uma mulher determinada, passou por situações que deixaram marcas em seu coração. Acontecimentos ruins deixaram cicatrizes em seu corpo que nunca puderam ser apagadas. Um dia foi obrigada a se afastar do único homem que amou, ela tentou, mas seu coração se recusou deixar outra pessoa entrar, pois nele só existe espaço para uma pessoa: Bruno Rodrigues. 

Ele empresário bem sucedido carismático e educado, é um homem cobiçado pelas mulheres, mas após ser abandonado por Alessandra não quer compromisso e muito menos amar alguém outra vez. Porém, o destino resolve colocá-lo frente e frente com a única mulher que é capaz de fazê-lo fraquejar em sua promessa. Agora só resta saber se o amor que é capaz de manter-se vivo apesar do ódio e abandono, também é capaz de fazê-los perdoar um ao outro e viver esse tão complicado e infinito sentimento renascido do passado...

Quantas vezes um coração pode ser quebrado?

Quantas vezes você pode se sentir sem chão e mesmo assim continuar existindo? E quando respirar se torna uma situação difícil a cada minuto?

Mason Lennox sentia tudo isso.

Seu mundo foi destruído por uma fatalidade, sua vida não fazia mais sentido. Tudo que amava foi tirado dele, será que ele estava sendo mesmo egoísta por se fechar dentro de si?

Elizabeth Hope vivia sua vida fazendo o melhor que podia, seu amor era seu trabalho. Uma mulher forte e que não se abalava com as inconstâncias da vida.

Mas será que mesmo essa mulher decidida e forte pode fazer a vida brilhar nos olhos de um homem sombrio e fechado em seu próprio abismo de solidão?

O amor pode mesmo ensinar e mostrar o quanto pode salvá-lo?

Primeiro livro do premiado escritor Dan Simmons no Brasil, O terror, que foi adaptado para a TV por Ridley Scott, com estreia nos EUA em novembro, é, ao mesmo tempo, uma aventura histórica e uma fantasia sombria. 

A partir de uma meticulosa pesquisa, o autor recria de maneira original uma das mais fascinantes histórias da exploração marítima no século XIX, a Expedição Franklin, como ficou conhecida a trágica investida da Marinha Britânica, em 1845, à cobiçada Passagem Noroeste, que liga os oceanos Atlântico e Pacífico através do Círculo Polar Ártico. Sob a liderança do renomado sir John Franklin e mesmo contando com os equipamentos mais avançados da época, a tripulação de mais de cem homens acabou presa nas geleiras ao norte do Canadá. 

A luta pela sobrevivência naquele ambiente hostil é o tema da narrativa de Simmons, que adiciona uma misteriosa ameaça aos bravos marinheiros: um predador desconhecido que tenta abrir caminho através dos cascos dos navios.